Domingo, 07 de março de 2021   -     02:15 |

Prefeitura afirma que vai pagar ticket alimentação de motoristas e cobradores.

Foto: Reprodução

Trabalhadores do transporte coletivo de Teresina paralisaram os serviços na manhã desta segunda-feira (25) e se reuniram para protestar contra atrasos no pagamento dos salários. Esta já é a segunda vez que a categoria paralisa serviços este ano. A estimativa é de que apenas 30 ônibus estão circulando em Teresina, de um total de 400 da frota.

Sobre o problema, o Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (Setut) informou que o pagamento não foi feito porque a prefeitura não fez o repasse do valor acordado (veja nota abaixo).

Por volta do meio-dia a Prefeitura de Teresina informou que faria, ainda nesta segunda-feira (25), o valor de R$ 600 mil para que as empresas fizessem o pagamento dos vale alimentação (leia a nota no fim desta reportagem).

Representantes dos grevistas informaram que só irão negociar o retorno depois que o benefício for depositado nas contas dos trabalhadores

POSICIONAMENTO

O Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (SETUT) constatou que o Sintetro paralisou as atividades tendo em vista que a Prefeitura Municipal de Teresina não fez o repasse no dia 20/01, do valor que foi acordado com o Sindicato dos trabalhadores. O repasse seria feito através das empresas juntamente com a parcela devida às concessionárias para que essas disponibilizassem os recursos aos trabalhadores.

Categoria pede pagamento
De acordo com o motorista Antônio Cardoso, da organização da paralisação, os trabalhadores receberam apenas uma parte do salário no inicio de janeiro. Eles teriam tentado uma negociação com a prefeitura para receber 40% do salário, que estaria atrasado, mas não houve acordo.

“A gente resolveu de vez, com essa manifestação, parar por tempo indeterminado enquanto não se resolva essa questão. O prefeito nos recebeu, chegou a falar que teve um encontro com os empresários, mas não vimos efeito”, disse.

Segundo a organização, a manifestação não é feita através do sindicato da categoria, mas pelos próprios trabalhadores.

“A pessoa para se deslocar aqui para a empresa precisa de combustível, se vier de bicicleta precisa se alimentar. A gente está praticamente sem receber dinheiro. Recebemos de forma fracionada no dia 5. Os empresários não falam com a gente, não nos recebem. Tem pessoa aqui que está comendo apenas massa de milho, que praticamente só precisa de água”, disse.

Ainda conforme a organização da paralisação, a maioria dos trabalhadores de todos os consórcios de ônibus de Teresina aderiram à paralisação. Apenas uma empresa estaria circulando na Zona Leste de Teresina.

A Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito informou que está cadastrando veículos alternativos para atender à população. Os condutores podem procurar a sede da Strans, na Av. Pedro Freitas, 1252 - Bairro Vermelha. Esse cadastramento pode ser realizado fora do expediente, até as 18h.

Dê sua opinião: