Sábado, 16 de outubro de 2021   -     17:15 |

Atenção: O que fazer para proteger as crianças da Covid-19

Evitar a exposição desnecessária de crianças à Covid-19 é a melhor forma de protegê-las contra os efeitos da doença, principalmente entre as não vacinadas, que não contam com a proteção que os imunizantes promovem.

Mas essa proteção se tornou mais desafiante neste momento, com o aumento das flexibilizações, do avanço da variante Delta e da volta às aulas no país, que tornam as pessoas não vacinadas mais vulneráveis.

Segundo especialistas consultados pela CNN Brasil, o risco de uma criança ser hospitalizada ou morrer por Covid é bem menor do que do adulto, por isso crianças de zero a 11 anos não estão sequer na fila da imunização.

O risco, embora mínimo, existe e deve ser minimizado, sobretudo porque o risco de internação e de morte por Covid-19 é muito maior entre os não vacinados.

Para evitar um cenário pior nas crianças não vacinadas, é fundamental que adultos que convivem com crianças se imunizem e mantenham as medidas de prevenção em casa, na escola e em outros locais por onde elas transitam, dizem os especialistas.

Vacinação e prevenção de adultos
Para proteger as crianças do novo coronavírus, é essencial que os adultos, sobretudo os que convivem com elas, tomem as duas doses da vacina contra a Covid-19 e mesmo assim mantenham as medidas de prevenção contra o vírus.

Isso porque nenhuma vacina contra Covid previne totalmente a infecção pelo novo coronavírus e que ele seja transmitido para outras pessoas, alerta Renato Kfouri, presidente do Departamento Científico de Imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

*CNN

Dê sua opinião: