Terça, 23 de julho de 2019   -     02:42 |
5000onon

Vereador Dudu critica Câmara por rejeitar destinação de mais recursos para mobilidade

 Foto: Assessoria 

O vereador Dudu (PT) criticou a aprovação pela Câmara Municipal de Teresina da Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO) de 2020, que prevê a aplicação de aproximadamente R$ 3,3 bilhões. Segundo o parlamentar, a aprovação do orçamento representa um grande retrocesso para o parlamento brasileiro.

“Na minha opinião é uma lei que representa um verdadeiro retrocesso que não faz bem para a democracia do país, pois tira a autonomia dos vereadores em poder direcionar o desenvolvimento de ações para diversos setores. O prefeito Firmino Filho (PSDB) queria que 50% das emendas parlamentares fossem destinadas para a saúde e a Casa votou a destinação de 20% para o setor. O Congresso Nacional, recentemente, aprovou a imposição de emendas de bancada visando exatamente dá mais autonomia para o parlamento, mas a aprovação do orçamento só demonstra que estamos retrocedendo as conquistas do parlamento”, criticou vereador Dudu.

Durante a votação, Dudu propôs a destinação de mais recursos para o provimento de melhorias no transporte eficiente (0,20%) e acessibilidade (0,20%), porém acabaram sendo rejeitados pelo parlamento municipal.  

“O transporte eficiente quase matou um cadeirante devido à queda da plataforma de um veículo, somado a isso temos veículos sucateados e a frota que não é suficiente para atender à demanda. Por isso, propomos que fosse destinado 0,20% do orçamento para realizar melhorias efetivas no transporte e assim promover autonomia aos usuários. O que vemos é o seguimento constantemente na Câmara de Vereadores clamando por mais recursos e melhorias para um transporte que de eficiente não tem nada. Em relação a acessibilidade, muito lugares não possuem se quer calçamento na porta de casa e quando tem são de péssima qualidade. Lamentável os parlamentares rejeitaram a destinação de mais recursos para o setor da mobilidade e acessibilidade”, disse o parlamentar.

Fonte: Ascom



Dê sua opinião: