5000onon

Veja por que Carlos Bolsonaro critica atitudes de Mourão

O vereador do Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro, segue empenhado em apontar situações suspeitas envolvendo o vice-presidente da República, Hamilton Mourão. Assim como o deputado federal Marco Feliciano (Podemos-SP), responsável por apresentar um pedido de impeachment contra o vice, Carlos também preparou uma lista sobre algumas atitudes de Mourão.

A troca de farpas levou, inclusive, o presidente Jair Bolsonaro a comentar o assunto por meio de seu porta-voz. Ele disse que sempre estaria ao lado do filho e que Mourão é um membro do governo.

Em suas redes sociais, o vereador carioca compartilhou cada um dos momentos que o levaram a tomar alguma atitude contra Mourão.


CURTIDA

Um dos primeiros atos suspeitos apontados por Carlos foi uma curtida de Hamilton Mourão em um tuíte da jornalista Rachel Sheherazade. No dia 8 de abril, ela falou sobre uma palestra do vice em Harvard, nos Estados Unidos, e disse que “finalmente um representante do governo não nos causa vergonha alheia. Muito pelo contrário. O vice nos mostrou como ele e o presidente são diferentes: um é vinho, o outro vinagre. Parabéns pela lucidez”.

Ao apontar a atitude, Carlos Bolsonaro pediu a seus seguidores que “tirassem as próprias conclusões”.


PALESTRA

Outra situação suspeita apontada pelo vereador foi um convite para uma palestra de Mourão nos Estados Unidos. O texto, traduzido por Carlos, diz que o vice-presidente é a “voz da razão e moderação” em um governo marcado por 100 dias de “paralisia política”. Além disso, ressalta ainda que o “ex-general de quatro estrelas também se tornou um dos favoritos dos jornalistas brasileiros – que são frequentemente críticos à nova administração – por sua disposição de se envolver com a mídia e por suas importantes observações sobre a necessidade de o governo valorizar a diversidade de opiniões”.

Ao comentar o assunto, o filho de Jair Bolsonaro disse que não teria acreditado se não tivesse visto o convite.
VENEZUELA


No mesmo dia, Carlos Bolsonaro decidiu mostrar mais uma atitude polêmica de Mourão. Desta vez, ele compartilhou uma declaração do vice-presidente à imprensa onde comenta a situação da Venezuela e apoia o fato da população contrária ao presidente Nicolás Maduro estar desarmada, o que evitaria uma guerra civil no país vizinho.

Ao falar sobre as declarações, o vereador disse:

– Quando a única coisa que lhe resta é o último suspiro de vida, surgem estas pérolas que mostram muito mais do que palavras ao vento, mas algo que já acontece há muito. O quanto querer ser livre e independente parece ser a maior crueldade para alguns – escreveu.


FACADA

Carlos também apontou uma fala de Mourão após o então candidato Jair Bolsonaro ser esfaqueado por Adélio Bispo de Oliveira. Na ocasião, o vice comentou o episódio e disse que “esse troço já deu o que tinha que dar. É uma exposição que eu julgo que já cumpriu sua tarefa. Ele [Bolsonaro] vai gravar vídeo do hospital, mas não naquela situação, não propaganda. Vamos acabar com a vitimização, chega”.

O vereador comentou a declaração do “tal de Mourão” e considerou que o vice achava que seu pai estava se fazendo de vítima.

– Naquele fatídico dia em que meu pai foi esfaqueado por ex-integrante do PSOL e o tal de Mourão em uma de suas falas disse que aquilo tudo era vitimização. Enquanto um homem lutava pela vida e tentava impedir que o Brasil caísse nas garras do PT, queridinhos da imprensa opinavam – ressaltou.


LULA


O filho de Bolsonaro também compartilhou declarações do vice-presidente sobre o julgamento no Superior Tribunal de Justiça (STJ), que reduziu a pena do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Sobre o fato, Mourão afirmou que “decisão do Judiciário a gente não comenta“. Desta vez, Carlos voltou a pedir a seus seguidores para tirarem as próprias conclusões.

DESPETIZAÇÃO


Ao final do dia, Carlos Bolsonaro destacou ainda as declarações de Mourão a respeito de uma série de demissões feita por Onyx Lorenzoni, ministro-chefe da Casa Civil de Bolsonaro. Na época, Onyx chamou a medida de “despetização” da Pasta. Ao comentar a medida, o vice apontou que as demissões poderiam ter sido realizadas com mais “carinho”.

Em seu comentário, no entanto, o vereador do Rio de Janeiro não falou sobre a “despetização”, mas sim sobre a declaração de Mourão a respeito do STJ.

– Vale lembrar que o STF sentiu a pressão da internet e ruas ao analisar estranho caso de liberdade de expressão. Decisão se cumpre, mas também se comenta. Qualquer outra interpretação mais uma vez demonstra a paixão camuflada – destacou.

CUT

Ao ser criticado pelo jornalista Ricardo Noblat, da revista Veja, sobre os ataques a Mourão, Carlos compartilhou mais um comportamento suspeito do vice. Desta vez tratando de um encontro com o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), que criticou a reforma da Previdência.

JEAN WYLLYS


Carlos Bolsonaro voltou a criticar o vice-presidente e lembrou de declarações sobre o ex-deputado federal Jean Wyllys, que desistiu do mandato e saiu do Brasil. Sobre o episódio, Mourão disse que o ex-parlamentar deveria ter continuado no país, porque o governo poderia tê-lo protegido das ameaças que sofreu.

Para o filho de Jair Bolsonaro, no entanto, a declaração é suspeita porque o ex-integrante do PSOL não saiu do Brasil pelos motivos que disse.

– Caiu no colo de Mourão algo que jamais plantou. Estranhíssimo seu alinhamento com políticos que detestam o presidente [Bolsonaro]. Qualquer um sabe que Jean Willians [Wyllys] não saiu do Brasil por perseguição, mas por uma esperta jogada política cultural. Com a palavra, o culto – ressaltou.

CONTROVÉRSIA

O vereador carioca também compartilhou um vídeo em que um apoiador aponta o mesmo comportamento suspeito do vice-presidente. Na legenda, ele diz que é preciso “acabar com essa controvérsia e entender qual é a do tal Mourão”.




Dê sua opinião: