5000onon

Caso Camila Abreu: Justiça decide que Ex-capitão da PM vai a júri popular

Foto: Lorena Linhares/G1 

Os desembargadores da 1ª Câmara Especializada Criminal do Tribunal de Justiça do Piauí mantiveram a qualificadora de feminicídio dentre as acusações contra o ex-capitão da Polícia Militar Allisson Wattson. O julgamento aconteceu nesta quarta-feira (17) a pedido da defesa. Ele é acusado de matar a namorada, a estudante Camilla Abreu, em outubro de 2017, com um tiro na cabeça.

A sessão teve início por volta das 10h e o Ministério Público não realizou sustentação oral. O advogado de defesa de Allisson, Pitágoras Veloso, pediu ainda, na fase preliminar do julgamento, a reconstituição do crime porque, segundo ele, o disparo que matou Camilla foi acidental. Por 3 votos a 0, os desembargadores rejeitaram o pedido.

No julgamento do mérito do pedido, também por unanimidade, foram mantidas as qualificadoras de feminicídio, ocultação de cadáver e fraude processual. Com isso, o processo contra o ex-PM entra na pauta do Tribunal do Júri, ficando sob responsabilidade da juíza Maria Zilnar Coutinho, que definirá a data para o julgamento.

O advogado explicou ao G1 o pedido feito sobre um suposto “cerceamento da defesa”, tendo o pedido de reconstituição do crime negado. 

“A Justiça nega e diz que esse pedido é protelatório, sendo que isso é que vai demonstrar se o tiro foi acidental. Ele sempre relatou que foi acidental, que não atirou por vontade própria, que foi quando tentava desarmar a Camilla. O Ministério Público e a Justiça não querem fazer porque sabem que ele é inocente”, afirmou.  

Ele disse ainda ao G1 que, com a rejeição dos pedidos, a defesa irá recorrer junto ao Superior Tribunal de Justiça e ao Supremo Tribunal Federal. 

Família aguarda condenação

Jean Carlos Abreu, pai de Camilla, afirmou que a expectativa pela condenação de feminicídio é um anseio não apenas de sua família.   

 Foto: Reprodução Facebook 

“Não apenas nossa família, mas todas as famílias de vítimas de violência contra a mulher esperam que ele vá a Júri Popular e pague pelo crime que cometeu. Nunca vi tiro acidental pelas costas, a uma distância de 70 cm a 1,50 m, pelo que a perícia constatou. Tem hora que ele diz que é inteligente, tem curso superior, tem horas que diz que é ‘doido’. Esperamos justiça”, declarou.

O crime

Camilla desapareceu na madrugada do dia 26 de outubro após ter encontrado o namorado. O corpo da jovem foi encontrado em um matagal no dia 31 de outubro, depois que o ex-capitão foi preso e apontou o local onde estava a jovem morta.

O laudo do exame cadavérico da estudante apontou que Camila foi agredida e morta com um disparo de arma de fogo na cabeça.  

* Com informações do G1 PI

Dê sua opinião: