Segunda, 25 de maio de 2020   -     05:56 |

Coluna Coluna Feitosa Costa

Empresária desmente Governo do Ceará e afirma que foi obrigada a tirar bandeira do Brasil de seu carro

A empresária Sância Montenegro, de 56 anos idade, usou as redes sociais para afirmar que foi coagida por policiais a retirar uma bandeira do Brasil de seu veículo. Um vídeo mostra o momento da abordagem, em Fortaleza, quando o agente da Secretaria de Segurança se aproxima do carro e ordena a retirada do material. 

Sância diz que foi ameaçada de ser conduzida à delegacia. Por medo, diz ela, preferiu acatar a ordem do policial. Em nota, a Secretaria Estadual de Segurança justificou que não houve orientação para a conduta do agente. 

Nota de esclarecimento da Policia Militar do Ceará

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará (SSPDS-CE) e a Polícia Militar do Ceará (PMCE) informam que não houve qualquer orientação, nem do Comando da corporação, nem dos policiais que estavam no local, para que a condutora do veículo que aparece no vídeo retirasse a bandeira nacional do carro.

A condutora é uma pessoa idosa, que comprovou que estava levando medicamento para sua residência e que por isso estava amparada pelo decreto de isolamento social rígido. Ela, por iniciativa própria, retirou a bandeira para não ser confundida com outros motoristas que estavam descumprindo o decreto estadual.


A equipe policial militar facilitou a saída dela do engarrafamento, o que não é mostrado no vídeo em questão.

A SSPDS-CE informa ainda que a PMCE conduziu 25 pessoas que estavam em uma carreata em vias dos bairros Joaquim Távora, Dionísio Torres e Cocó, em Fortaleza.

As pessoas são suspeitas de descumprirem determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa, prevista no artigo 268, do Código Penal Brasileiro.

Os conduzidos estão sendo ouvidos no 2º e 34º Distritos Policiais (DP), nos bairros Aldeota e Centro. Outras pessoas que forem identificadas nas investigações da Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) de terem participado e financiado a carreata serão também responsabilizadas criminalmente.

O trabalho policial atende as medidas de isolamento mais rígidas em Fortaleza estabelecidas no Decreto Estadual nº 33.574.

Dê sua opinião: