Segunda, 30 de março de 2020   -     15:57 |
5000onon

Coluna Coluna Feitosa Costa

Coronavírus: Governador do Piauí pretende analisar novas medidas para confinamento antes de vencimento de decreto

O governador Wellington Dias (PT) admitiu hoje (26) a necessidade da reabertura de empresas de setores estratégicos para manter o abastecimento básico à população carente do Piauí, mesmo diante da pandemia do coronavírus (codiv-19).

Além do comércio nas cidades, fábricas e áreas da construção civil podem voltar a funcionar de acordo com determinações que devem ser expedidas nos próximos dias. A declaração foi feita em entrevista coletiva, via chamada de vídeo.

Tudo indica que daqui pra frente os Estados devem também determinar o confinamento apenas de pessoas já contaminadas pelo vírus e grupos de risco, desde que adotem medidas de segurança e vigilância sanitária, a fim de evitar o surgimento de casos graves.

Antes do fechamento desta matéria, a assessoria do Palácio do Governo enviou uma nota ao Carta Piauí, explicando a fala do governador.

Leia à íntegra:

O governador Wellington Dias esclarece que não há decisão de reabrir o comércio na segunda-feira (30). O que está previsto para esta data é uma nova reunião com o Comitê de Organização de Emergência (COE) para avaliar o resultado das medidas de contenção adotadas até o momento e definir novas ações para os próximos 15 dias, já que o decreto 18.884, que estabeleceu medidas de emergência no estado e suspende as aulas na rede estadual, vence nesta data.

Vale destacar que o decreto 18.902 de 23 de março, que suspende as atividades comerciais e de serviços no estado, continua vigente.


Todas as medidas estão sendo tomadas e continuarão, até que a proliferação do vírus seja controlada e haja segurança para a saúde da população. Qualquer alteração nas medidas vigentes atualmente, serão discutidas e tomadas seguindo as recomendações da Organização Mundial da Saúde, do Ministério da Saúde e da equipe técnica da Secretaria de Estado da Saúde.

O governador assegura ainda que as decisões também serão tomadas ouvindo representantes do setor empresarial, trabalhadores e municípios.

Dê sua opinião: