Domingo, 17 de outubro de 2021   -     12:25 |

Juiz nega recursos de Genivaldo e agenda audiência para resolver disputa pela presidência do River-PI

O juiz Teófilo Rodrigues Ferreira, da 3ª Vara Cível de Teresina, negou o pedido de liminar movida por Robert Ibiapina, ex-diretor de futebol do River-PI, que solicitou reconhecimento da eleição presidencial realizada pelo grupo político da qual ele faz parte. Em decisão publicada nesta quarta-feira, o juiz negou também o pedido de urgência de reconhecimento em cartório da chapa liderada por Genivaldo Campelo, ex-presidente e líder do grupo da situação que realizou uma eleição paralela no CT Afrânio Nunes.

Por conta da briga judicial e falta de reconhecimento legal de uma diretoria eleita, o Galo segue impossibilitado de assinar qualquer contrato com jogadores e prestadores de serviço. O Campeonato Piauiense começa em menos de duas semanas.

Além de indeferir os pedidos das duas partes envolvidas, Teófilo Rodrigues Vieira agendou para o dia 19 de fevereiro, às 10h, a audiência de conciliação na 4ª Vara Cível, em Teresina.

- Na oportunidade será aberto prazo para que as partes informem quais provas pretendem produzir, justificando a utilidade e a necessidade de cada meio de prova, bem como indicando clara e objetivamente os pontos controversos sobre os quais recairá eventual prova – diz a decisão publicada pelo juiz.

Após ter o pedido de inscrição de chapa negado pela ex-diretoria executiva, Robert Ibiapina reprovou a decisão e contestou na Justiça o processo eleitoral que resultou na eleição do grupo adversário, que se manteve no comando do Conselho Deliberativo.

Na defesa, Augusto César Chabloz, advogado do clube e vice-presidente de Interesses Jurídicos, rebateu as acusações, negou irregularidades no pleito e pediu sem sucesso urgência no reconhecimento da eleição da chapa de Genivaldo Campelo para viabilizar a assinatura e publicação de todos os contratos dos atletas. O elenco do River-PI treina atualmente sem vínculo com o clube.

A escolha do novo presidente do River-PI foi parar nos tribunais. Genivaldo Campelo liderou a chapa “Francisco Luiz Soares de Oliveira – Pintinho” e alegou irregularidades na chapa “Resultado e transparência”, encabeçada pelo ex-diretor de futebol Robert Ibiapina. Com a exclusão do grupo rival na disputa, Campelo manteve seus aliados no comando do Conselho Deliberativo, órgão responsável pela indicação do novo presidente.

Contrário à decisão, Robert Ibiapina, com apoio do ex-presidente Elizeu Aguiar, realizou do lado de fora do ginásio do clube uma eleição paralela. Ibiapina entrou na Justiça e contestou o resultado do pleito adversário e travou judicialmente a posse de Ítalo Rodrigues, indicado de Campelo para a presidência, até que o recurso seja julgado na 1ª instância.

*Com informações do G1

Dê sua opinião: