Quinta, 19 de setembro de 2019   -     03:55 |
5000onon

Cruzeiro paga multa de Ceni, mas atrasa pagamentos de elenco

 Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net

O Cruzeiro utilizou recursos próprios para quitar a multa de Rogério Ceni com o Fortaleza, de acordo com a assessoria de imprensa do time mineiro. Embora tenha desembolsado quase R$ 1 milhão para ter o técnico diante do Santos, no domingo (18), o clube ainda não pagou em sua totalidade os salários de atletas e de parte dos funcionários. Há atraso até de premiação por conquistas na temporada. 

Ao ser questionada sobre o pagamento da multa do novo treinador em detrimento dos salários de atletas e funcionários, a diretoria se manifestou novamente por meio do departamento de comunicação: "A quantia é muito pequena para tanto esforço".

Até o momento, os mineiros pagaram vencimentos avaliados em até R$ 2,5 mil por mês. Aqueles que têm remuneração superior a esta quantia receberam uma parcela do pagamento no quinto dia útil -7 de agosto passado. A segunda parte será depositada em outra data, conforme promessa da cúpula aos próprios.

O elenco profissional ainda não teve salário quitado em agosto. Há também a dívida referente à premiação por conta do título do Campeonato Mineiro 2019, conquistado no final de abril. O "bicho", como o prêmio por conquistas é conhecido no futebol, não foi pago em sua totalidade aos atletas.A situação é semelhante à vivida no mês de julho, quando teve que parcelar salários de funcionários, plantel e comissão técnica. Os atrasos envolvendo até os empregados com vencimentos menores é algo raro na história do clube.

Para aliviar um pouco as contas, o clube espera receber em breve a quantia referente à venda do volante Lucas Romero. O argentino voltou para seu país e hoje defende o Independiente. Da sua parte negociada, o Cruzeiro ficará com cerca de R$ 9 milhões. Embora alegue ter boa relação com a equipe do país vizinho, o Cruzeiro ainda não rescindiu oficialmente com Romero, que nem sequer estreou pelo novo clube. 

* Com informações do FolhaPress

Dê sua opinião: