Terça, 11 de agosto de 2020   -     12:04 |

Rodoviária de Teresina adota medidas para evitar contágio por Covid-19

Devido ao novo momento em que se vive devido à pandemia da Covid-19, a administração do Terminal Rodoviário Governador Lucídio Portella adotou medidas para evitar o contágio pela doença. São atitudes que prezam tanto pela saúde dos viajantes como das pessoas que trabalham no local.

O atendimento na Rodoviária de Teresina segue obedecendo o distanciamento social com marcações no chão e nos assentos.


Duas pias foram instaladas estrategicamente na entrada do terminal, com disponibilização de sabão antisséptico, para que os usuários possam fazer a higienização das mãos sempre que necessário.


São realizadas a sanitização e desinfecção constantemente, com materiais adequados, em todas as áreas e superfícies, internas e externas, como forma de evitar a proliferação do vírus.

Além disso, todos os colaboradores trabalham devidamente protegidos. Uma barreira sanitária é realizada diariamente por profissionais da Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) e se algum caso suspeito for detectado, as devidas providências são tomadas de acordo com o protocolo da secretaria.

O coordenador da rodoviária, Robson Silva, afirma que “estamos trabalhando da melhor forma, com objetivo de preservar a saúde de todos que por aqui passam, desde usuários, a colaboradores e locatários. Ressaltamos que o uso de máscaras é obrigatório nas dependências do local, por isso, contamos com a colaboração de cada um”.

Para João Batista, que utiliza os serviços do terminal, essas ações são fundamentais para a diminuição do risco de contágio do novo coronavírus. “Nos sentimos mais seguros em lugares que existem respeito por essas normas, porque infelizmente muitos ainda não levam a sério. A administração está fazendo sua parte e é importante que todos façam”, conclui o viajante.

A Sinart, concessionária que administra o terminal rodoviário d capital, segue trabalhando empenhada, cumprindo seu papel na luta contra a Covid-19.

* Com informações da CCOM  

 

Dê sua opinião: