Sábado, 20 de julho de 2019   -     07:13 |
5000onon

Prefeitura foi alertada sobre eminente rompimento antes da tragédia do Parque Rodoviário, diz testemunha

O Portal Cidade Verde publicou nesta terça-feira (02) que testemunhas estão sendo ouvidas sobre a tragédia ambiental que ocorreu no Parque Rodoviário, na zona Sul de Teresina, matando duas pessoas e deixando dezenas de desabrigados.

Em abril deste ano, após forte chuva, uma lagoa rompeu causando destruição. A Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA) instarou inquérito policial para apurar os danos ambientais.

Conforme o Portal, em depoimento na última quarta-feira (26), o presidente da Associação dos Moradores do Parque Rodoviário, Edmilson Pereira Lima, 61 anos, confirmou o desmatamento provocado por moradores no início da construção do bairro e que, meses antes da tragédia, havia alertado à Superintendência De Desenvolvimento Urbano Sul (SDU-Sul) sobre o iminente rompimento.

"Ele conta que a lagoa começou a se formar em 2012. Em dezembro de 2018 foi à SDU Sul alertar que estava muito cheia e no início deste ano falou, pessoalmente, com o superintendente para relatar o problema e teve como resposta que ia ser resolvido. Pouco tempo depois, ele disse que foi surpreendido pela enxurrada e já acordou no hospital", conta  Edenilza Viana, titular da DPMA ao Portal.  

Além proprietário do terreno onde acumulou água e rompeu o muro causando os estragos, a prefeitura de Teresina também pode ser responsabilizada, caso seja comprovado que houve negligência.

"Se conseguirmos comprovar o que o presidente disse em depoimento, a prefeitura também será responsabilizada. Os documentos que ele tinha foram levados pela água, mas existem outros meios para a gente comprovar", alerta a delegada.

Além da investigação pela DPMA, um inquérito no 10º Distrito Policia apura os danos causados às vítimas.

Dê sua opinião: