5000onon

Fake News: Porta-voz dos caminhoneiros nega paralisação em Teresina

Edvan Ferreira 
 Foto: Oito Meia

“Não deem atenção às fake news“, iniciou Edivan Ferreira, considerado porta-voz dos caminhoneiros no Piauí. Ele se refere a uma série de rumores divulgados em redes sociais de que haveria uma grande paralisação e manifestação da classe em Teresina na próxima semana. No entanto, através de vídeo enviado ao OitoMeia, ele nega que isso irá acontecer na capital. 

“Quero tranquilizar que não haverá nenhuma paralisação ou manifestação dos caminhoneiros aqui na capital. Está [apenas] previsto uma grande manifestação na capital federal Brasília, onde já se encontram alguns caminhões e outros de todo Brasil se deslocando para lá. Aí sim, dia 4 de junho lá em Brasília, haver uma grande manifestação”, esclareceu o caminhoneiro. 

Nas publicações distribuídas em Teresina dizem: “Pessoal, estoquem alimentos e encham o tanque do carro quem tiver. Segunda, tudo indica, vai ter outra paralisação e dessa vez vai ser pesada”. 

 NÃO HÁ MAIS CONCENTRAÇÃO EM RODOVIAS  

Na tarde de quarta-feira (30/05), os quatro pontos de concentração dos caminhoneiros foram liberados pela classe após diálogo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF). 

Em Teresina, eles estavam com os veículos parados na BR-316, próximo ao balão da Tabuleta. Na região Sul do estado, havia outros três pontos: Em Bom Jesus, na BR-135; em Floriano, na BR-230; e em Picos, na BR-316. Nenhum desses pontos, porém, houve “bloqueio”. De acordo com a PRF, eram apenas interdições parciais e provisórias durante os oito dias de greve anunciadas. 

A greve nacional iniciou em 21 de maio, na manhã de segunda-feira. No Piauí, somente na quarta (23/05) houve o primeiro ato, em Teresina. A principal pauta dos carreteiros era a redução do preço do diesel e do frete, mas eles também pedem apoio para a população manifestar-se contra a corrupção. O Governo Federal concedeu três medidas provisórias inseridas no Diário Oficial e aprovadas pelo Senado. Entre elas, está a redução de R$ 0,46 centavos no preço do Diesel, válidos a partir desta sexta-feira (01/06) por dois meses. 

Em outros estados, também houve diminuição dos bloqueios de forma pacífica entre caminhoneiros e PRF, apesar do anúncio do Governo Federal de que as forças armadas poderiam intervir nas interdições retirando veículos e aplicando multa de até R$ 10 mil reais por dia contra a classe.    



Fonte: Cidades na Net                                     

Dê sua opinião: