Wellington cobra sensibilidade dos Poderes em orçamento

Desembargador Erivan Lopes com o governador Wellington Dias e secretário Merlong Solano 
  Desembargador Erivan Lopes com o governador Wellington Dias e secretário Merlong Solano (Foto: Jorge Bastos/Ccom)

O governador Wellington Dias quer terminar o ano com a folha de pagamento em dia e com o pagamento do 13º antes do final de dezembro, mesmo que para isso tenha que suspender os repasses para pagamento de outras despesas "menos urgentes", inclusive parando obras e ações que possam ficar para depois. 

Para não começar o ano de 2018 como está terminando 2017, Wellington Dias foi ao Tribunal de Contas do Estado na sexta-feira (6), conversar com o presidente do TCE-PI, conselheiro Olavo Rebelo. O encontro foi positivo, segundo o chefe do Executivo.
 
 Ainda na noite de sexta-feira, Wellington Dias recebeu no Palácio de Karnak, o presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Erivan Lopes. Nos dois encontros o mesmo assunto: o Orçamento do Estado para o próximo ano. 

O Executivo, com R$ 9,2 bilhões, vai ficar com a maior fatia do bolo orçamentário. Depois vem a Assembleia Legislativa, com R$ 328 milhões; o Tribunal de Justiça, com R$ 568 milhões; a Procuradoria-Geral de Justiça, com R$ 196 milhões; o Tribunal de Contas do Estado, com R$ 115 milhões, e a Defensoria Pública do Estado, com R$ 82 milhões. 

Reunião no Palácio de Karnak
  Reunião no Palácio de Karnak   

Como faz todos os anos, sempre depois que encaminha aos deputados a Mensagem com a lei que estima receita e fixa despesa do Orçamento Geral do Estado para o ano seguinte, o governador do Piauí, Wellington Dias, vai visitar a Assembleia Legislativa, o Tribunal de Justiça, a Procuradoria Geral de Justiça e Defensoria Pública, para pedir compreensão em relação à situação financeira do Estado. 

Na semana passada, Wellington Dias encaminhou aos deputados o Projeto de Lei estima a receita geral do Estado em R$ 12.956.787.305,00. Após dedução das contribuições do Estado ao FUNDEB e transferências constitucionais aos municípios, o valor do orçamento fica fixado em R$ 10.584.569.518,00. 

As audiências com os dirigentes dos Poderes começou na sexta-feira (6) com a visita ao presidente do Tribunal de Contas do Estado, conselheiro Olavo Rebelo. “Mostramos a realidade da situação da Receita, todo o nosso esforço para que a gente tenha um orçamento compatível à inflação, para que a gente possa garantir as condições de um planejamento que gere o equilíbrio”, defendeu o governador.