5000onon

Família de Camilla Abreu denuncia lentidão no processo de expulsão do capitão da PM

 

A advogada da família da universitária Camila Abreu, encontrada morta no dia 31 de outubro de 2017, fez um desabafo nas redes sociais.  Na postagem, Ravenna Castro conta que “o processo de expulsão do capitão Watson está engavetado no (Palácio de) Karnak. Eles não querem expulsar ele. Querem botar na reserva remunerada”.  

O capitão da Polícia Militar, Alisson Watson, é acusado de matar a estudante. Na época, eles tinham um relacionamento amoroso. O corpo da estudante foi localizado no povoado Mucuim, na zona rural sudeste de Teresina. O capitão levou a polícia até o local.  Ele aguarda o julgamento pelo Tribunal Popular do Júri.  A jovem desapareceu no dia 26 de outubro e só foi encontrado cinco dias depois. 

Em conversa com o Cidadeverde.com, o pai de Camila, Jean Carlos, também fez um desabafo e disse que “em nenhum momento vai desistir de buscar por justiça”.

Ele disse que já foi a Procuradoria-Geral do Estado e a resposta foi de que existem duas possibilidades sobre o futuro do capitão na corporação: a expulsão ou a reserva remunerada.

“O processo já foi finalizado na PGE e enviado ao Karnak para decisão do governador (Wellington Dias). Eu não sei essa demora, não entendo o motivo, quem está segurando esse processo. Estão empurrando essa decisão, mas eu não desisto. Estou lutando por justiça e contra a impunidade, que quase todo dia vejo. Eu sei que Camila não volta mais, mas estou lutando para que outras famílias não vivem isso”.   


(Foto: arquivo pessoal)

Em março deste ano, o pedido feito pela defesa de Alisson Watson, para que fosse autorizado processo de investigação sobre a sua sanidade mental, foi negado pelo juiz da 2ª Vara do Tribunal Popular do Juri, Carlos Amilton Bezerra. 

O policial, que confessou matar namorada, foi reprovado em teste psicotécnico da PM. Ele foi aprovado no concurso da PM em 2006, mas só conseguiu ingressar na corporação dois anos após a aprovação, mediante determinação judicial.

Andamento do processo 

A Coordenadoria de Comunicação do Estado informou que o processo que discute a expulsão do capitão Alisson Watson está com a Assessoria Jurídica do Palácio do Karnak e, após parecer, será encaminhado para o governador do Estado, Wellington Dias, decidir ou não pela expulsão do policial. O parecer da assessoria está previsto para ser enviado ao governador nesta semana. Decidido, o posicionamento do governador será enviado ao Tribunal de Justiça do Piauí, que homologará ou não a decisão. 

 

Carlienne Carpaso
[email protected]  
Fonte: CidadeVerde.com 


Dê sua opinião: