Deputados incentivam João Vicente a disputar o Governo

A oposição ao governador Wellington Dias se encarregou de dar ampla divulgação a um contato na última sexta-feira do empresário João Vicente Claudino, ex-senador da República, com pelo menos 10 deputados estaduais em que recebeu estímulo para ser candidato a governador do Estado e culminou com um encontro entre o ex-senador e o prefeito de Teresina, Firmino Filho.

Resultado de imagem para joão vicente claudino

João Vicente Caudino      (Foto: Reprodução)


De mão em mão

Estavam almoçando no restaurante do deputado João Madson, na última sexta-feira, pelo menos 10 deputados, entre eles três da base do Governo, quando o ex-senador ligou para um deles em nome do qual queria cumprimentar o grupo. O telefone acabou passando de mão em mão.

Incentivo

A maioria incentivou o empresário a ser candidato, afirmando que estava disposta a apoiá-lo tão logo colocasse o seu nome na disputa.

Robert vibrou

O mais entusiasmado de todos era o deputado Robert Rios Magalhães, o mais ruidoso oposicionista na Assembléia Legislativa do Estado.

Esperança

João Vicente Claudino não foi taxativo mas alimentou a esperança dos parlamentares, que se queixaram muito do atual quadro administrativo com o que João Vicente concordou.

Criticas ao Governo

João Vicente Claudino aproveitou a oportunidade para fazer duras críticas à maneira como o Governo tem sido conduzido que segundo ele pode levar o Estado à falência.

Retaliação

O presidente Michel Temer ordenou que seja retirados todos os cargos de deputados federais da base de seu Governo que votaram pelo prosseguimento da denúncia da Procuradoria Geral da República.

Avisou o Palácio

Consta que o deputado federal Marcelo Castro, presidente do PMDB no Piauí, avisou ao Palácio do Planalto que não estaria em plenário na hora da votação da denúncia contra o Presidente Michel Temer.

Resultado de imagem para Marcelo Castro

Marcelo Castro      (Foto: Reprodução)


Voto a favor

A mesma fonte deste repórter confidenciou que Marcelo será "perdoado" porque a ausência, se preciso fosse, contaria a favor de Michel Temer.

Dê sua opinião: