5000onon

Funcionários do HU encerram greve e terão mesa nacional de negociação

Os funcionários do Hospital Universitário da Universidade Federal do Piauí (HU-UFPI) decidiram, encerrar a greve, iniciada na última terça-feira. A categoria tomou a decisão em assembleia realizada nesta sexta-feira (8), e determinaram o retorno às atividades ainda na tarde de ontem. No Piauí, a categoria optou por aceitar as propostas que a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) ofereceu, depois de alguns pontos negociados anteriormente. Um dos resultados da negociação foi a proposta da empresa de criar uma mesa nacional permanente de negociação, onde serão discutidas as condições de trabalho dos servidores, como a reposição de materiais de trabalho. 

A falta de materiais depende do Governo Federal e os atrasos tem atrasado diversos procedimentos, como cirurgias e exames mais complexos. Segundo o técnico de enfermagem e diretor do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Federal no Estado Piauí (Sinsep-PI), Miguel Viana, tem cirurgias de catarata que estão atrasadas há 2 anos.

"Hoje os hospitais dos estados são autorizados a fazer um limite de contas mínimo e de alguma maneira a gente tem o esforço de resolver isso também, porque falta material. Tem cirurgias de catarata no HU do Piauí esperando há dois anos. Tem o médico, tem o centro cirúrgico, tem todo aparato tecnológico, mas não tem material", explica o sindicalista.

Com relação aos ganhos financeiros, a proposta apresentada pela Ebserh, prevê que o índice de reajuste de 6,84% será dividido até fevereiro de 2018, além do pagamento de 70% para retroativos de salários e benefícios do período compreendido entre 1º de março de 2017 a 28 de fevereiro de 2018. 

O pagamento será feito em duas parcelas, sendo 50% já na folha de julho (a ser paga em agosto) e o restante na folha de dezembro (a ser paga em janeiro). O acordo foi assinado por volta das 11h de hoje.

O Sinsep-PI avalia como decisiva a mobilização dos funcionários do HU-UFPI para os ganhos no Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) deste ano, com relação à mobilização nacional.

“Este acordo não é o ideal, mas foi um ano duro de negociação e mesmo com toda truculência do governo a força trabalhista prevaleceu com base na união em prol da garantia de saúde de qualidade para a comunidade e condições dignas de trabalho para toda a classe de trabalhadores Ebserh”, afirma Miguel Viana, diretor do Sinsep-PI.

Entre outras questões, o sindicato também conseguiu que fosse estabelecido o ganho de intervalo de 30 minutos para os que cumprem jornada de 8h diárias, bem como retorno dos dois dias de abono anual.

 



Rodrigo Antunes
[email protected]

Dê sua opinião: