A OPOSIÇÃO DA OPOSIÇÃO

A OPOSIÇÃO DA OPOSIÇÃO

Quem de nós nunca se deparou com uma criança extremamente opositiva, desafiadora, que discute por qualquer coisa, que não assume seus erros ou responsabilidades por falhas e que costuma sempre se indispor com os demais de seu grupo ou de sua família de maneira a demonstrar que a cada situação será sempre difícil convencê-lo, mesmo que a lógica mostre que suas opções estão evidentemente equivocadas? Se você conhece uma criança assim, provavelmente ela tem Transtorno Opositivo-Desafiador. Tal quadro leva a severas dificuldades de tempo e de avaliação para analisar regras e opiniões alheias e intolerância às frustrações, levando a reações agressivas, intempestivas, sem qualquer diplomacia ou controle emocional.

Nas últimas semanas tem sido comum para o público que participa das sessões semanais na Câmara Municipal de Timon, presenciar discussões bastante acaloradas. Quase sempre e com “quase” eu me refiro a 99,9% das vezes, temos como personagens principal desses momentos desnecessários travestido de debate, dois vereadores. O vereador Anderson Pêgo (PRB) e Ramonr Junior (PP). Tais vereadores, volta e meia costumam agraciar aos espectadores com um show de baixaria e descontrole emocional. Não importa do que se trata, importa que contrariem o que a maioria deseja e que fique claro para todos como estão dispostos a viverem 4 anos naquela casa em completo tom de discordância com os demais. Ramon Junior, filho do empresário Ramon Alves, dono da empresa Timon City, volta e meia até concorda com governo, quando entende que a situação será boa para a empresa do pai. Já Anderson está sempre se opondo a tudo e a todos. O vereador que é cria do deputado estadual Alexandre Almeida tem se mostrado o mais descontrolado emocionalmente.

No entanto, um fato chamou bastante atenção de todos que presenciaram a sessão dessa segunda-feira (11/10). Após sessão extraordinária que aprovou a LOA (Lei Orçamentaria Anual) do governo Luciano Leitoa, e que contou com a aprovação dos vereadores de oposição Henrique Junior, Socorro Waquim e Adão da Ceasa, Anderson e Ramon não pouparam críticas à aprovação feita por aquela casa. Enquanto Anderson alegou que a sessão foi conduzida de maneira ilegal, segundo o vereador do PRB os vereadores não haviam sido notificados via escrita, informando inclusive que entraria na justiça contra a sessão extraordinária, Ramon Jr. não poupou seus companheiros de oposição e fez severas críticas, sendo seu principal alvo o vereador Henrique Jr. (PTN). Segundo Ramon, Henrique Jr. não poderia mais fazer qualquer reclamação do atual governo, e que no momento em que Henrique pôde mudar a realidade do município, não o fez, votando a favor do governo. Nas falas do vereador do PP, só ele e Anderson agiram de forma correta, se opondo a aprovação da LOA, enquanto os demais vereadores, inclusive os de oposição agiram de forma errada.

Após a fala do vereador Ramon Jr. a professora Socorro (PMDB) teve a vez e esta não escondeu a sua indignação com a fala do companheiro de oposição. A ex prefeita afirmou que embora a LOA aprovada não garantisse aquilo que eles esperavam para a pasta da Saúde, houve um avanço significativo e com forte contribuição da oposição. Segundo a vereadora do PMDB, sua experiência na política e os 8 anos como prefeita lhe davam a certeza de que votar contra a LOA seria agir de forma irresponsável com a população. Reafirmou sua posição contrária ao governo Luciano, mas garantiu que para o bem de Timon, não poderia votar contrário a Lei Orçamentária Anual.

O vereador Ramon Junior havia se retirado da sessão quando a professora Socorro usou da tribuna e permaneceu ausente quando o vereador Henrique Junior pediu “a parte” ao vereador líder da oposição José Carlos Assunção (PSB). Na fala do vereador Henrique Junior, o tom de revolta e indignação foi gritante e evidente. Segundo o vereador do PTN, o vereador Ramon faltou com a verdade, e não poderia fazer tais acusações e se retirar sem antes ouvir as verdades. Henrique Junior garantiu que diferente de Ramon, que mudava de opinião conforme os seus interesses, Henrique sempre se pautou de maneira séria e votando a favor da população, que jamais havia legislado em causa própria como era de costume do vereador do PP.

Com o final de ano se aproximando e o recesso chegando, o que podemos ter total certeza é que a professora Socorro, líder da oposição, não aproveitará nada do recesso. Com os dois vereadores que parecem sofrer de TOD fazendo cada vez mais a oposição passar vergonha, a ex prefeita não terá vida fácil para alinhar essa oposição encontrada dentro do núcleo opositivo ao atual governo municipal.

Dê sua opinião: