5000onon

Temer tem a chance de melhorar sua imagem

O presidente Michel Temer terá nas mãos um recuso importante para tentar sair da grande rejeição popular que possui. A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou na última quarta-feira
um relatório que pede a revogação do Estatuto do Desarmamento. O relator do texto é o senador Wilder Morais (PP-GO), para quem desarmar a população civil não resultou na redução das mortes nem da violência.

O relator entende que é preciso devolver à sociedade o direito à defesa. Ele também é autor de um projeto de lei que propõe o Estatuto do Armamento. É nesse ponto que o senador faz a inversão total do
assunto. O projeto dele está mais para Jair Bolsonaro do que para Michel Temer. O povo mesmo não quer andar armado. Seria medir força com os bandidos.

No relatório de 51 páginas, aprovado na íntegra pela CCJ, o senador também recomendou a militarização das fronteiras e a decretação de estado de defesa do Rio de Janeiro. As sugestões foram encaminhadas pela Casa para análise do presidente Michel Temer . Resta saber se ele dará alguma importância, já que vive mais preocupado com reformas que tiram mais do que acrescentam, sobretudo nas leis trabalhistas e na Previdência.

A corrupção e os partidos políticos

Escreveu Afonso Teles Coutinho, sob o título acima, no facebook: -“Nas próximas eleições, dificilmente, se encontrará candidato filiado a partidos políticos que estes não estejam envolvidos em corrupção, a
menos que o STF decida, favoravelmente, sobre uma ação que questiona a candidatura avulsa e sem filiação partidária. Hoje, se encontrar um partido político que não estiver ou esteve envolvido com a corrupção é porque ainda não chegou ao poder ou passou por este. Apesar da legislação assegurar que o mandato pertence ao partido e não ao seu detentor, continuo votando no candidato independente do partido ao
qual é filiado. Com a corrupção reinando entre partidos e políticos, teremos que ter cuidados redobrados na hora de escolher o candidato levando-se em consideração os atributos do candidato e não o partido”.

Robert adverte


O deputado Robert Rios disse que o Brasil foi surpreendido por uma nova operação da Polícia Federal (PF) lá no Congresso Nacional, mais precisamente, na Câmara Federal. Segundo o parlamentar, essa é uma fase nova da Operação Ápia, onde a PF apura desvios de recursos públicos, praticados por políticos e que nesta fase estão sendo investigados um deputado e uma deputada, que teriam se locupletado
como parte desses recursos. Ele concluiu sua fala advertindo os representantes piauienses para que não se envolvam em desvios.

Campeonato de tiros


A deputada Belê Medeiros (PP) destacou na última quarta-feira (13), a realização do Campeonato Piauiense de Tiro Prático, afirmando que dentre os classificados em primeiro e segundo lugares estão o seu
filho, Adir Guilherme Oliveira, e o seu esposo, Gustavo Oliveira. Ela elogiou a dedicação e o esforço dos dois esportistas. Belê afirmou que a partir de janeiro pedirá a todos os parlamentares que coloquem
emendas no orçamento estadual destinando recursos para a Federação Piauiense de Tiro, visando apoiar os atletas do Estado.

Líder mal informado

O líder do governo no Senado, Romero Jucá, anunciou que a reforma da Previdência só seria votada em fevereiro, contrariando o ministro da Fazenda, que via chances de a matéria ser votada logo. A coisa ficou
mais feia para o líder depois que o Palácio do Planalto  divulgou uma nota na qual informou que o presidente Michel Temer ainda definirá com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), a data da votação O anúncio de Jucá foi às 17h05 da última quarta -feira e a nota do Planalto foi divulgada às 18h52 do mesmo dia.

Cortes no orçamento


Quem assistiu o debate na sessão conjunta da Câmara e do Senado, na última quarta-feira, deve ter ficado estarrecido com o tamanho do corte na assistência social. No geral são 80% a menos nos recursos.
Trocando em miúdos, alguns órgãos vão perder entre 90% e 100%. Há casos em que a extinção seria menos traumática. Existem governos que não fazem muito no presente mas investem no futuro. Mas o presidente Temer parece determinado a acabar com a esperança do povo. É como se quisesse ser lembrado no futuro, mesmo como inimigo dos mais fracos.

FHC morde a língua

O ex-presidente Fernando Henrique nunca foi confiável, tanto no queb diz quanto no que faz. Na convenção do PSDB ele declarou que preferia combater Lula na eleição do que vê-lo preso. Agora ele mordeu a
língua, pedindo pressa no julgamento do ex-presidente: "o TRF tem a responsabilidade de esclarecer ao país se o Lula tem culpa ou não.(...) Tem que ser célere. Não acho justo que uma decisão definitiva não seja tomada a tempo da eleição"- disse. Sobre o discurso anterior FHC afirmou que foi mal interpretado. “Acharam que eu era contra a prisão do Lula".

O líder e a reforma


O líder do governo no Senado, Romero Jucá, não se dobrou ao Palácio do Planalto sobre a votação da reforma da Previdência. Ele disse que ela só será votada em fevereiro e não aceita a versão sem base eleitoral do governo, que não tem os 308 votos e acha que pode ser agora. De quebra, Jucá sugeriu que o governo precisa falar a verdade, ou seja, reconhecer que não tem os votos necessários para aprovar a reforma ainda este ano. Não há nada ruim que não possa piorar. É o que se espera do relacionamento precário entre o presidente e seus líderes.

O humor de cada dia

Desconfiado da fidelidade da sua mulher, o marido resolveu contratar um detetive particular. Deu a dica de um motel onde ela poderia estar e mandou o detetive ficar de olho para dar o flagrante: - Não deixe a
cretina escapar, que eu estou de olho lá na esquina! O homem ficou na expectativa por mais de uma hora. De repente, vê o detetive dando a maior surra numa mulher. - Espera aí! Essa não é a minha mulher! - Mas é a minha - berrou o detetive.

Dê sua opinião: