5000onon

Intervenção preocupa deputados do Piauí

Resultado de imagem para Robert Rios 
  Deputado Robert Rios (Foto: Reprodução)

Com experiência de policial federal e de ex-secretário de Segurança, o deputado Robert Rios disse da tribuna da Assembléia na sessão da última quarta-feira o que poderá acontecer no Rio de Janeiro depois da intervenção militar na segurança do Estado: a morte de pequenos traficantes, exatamente os que se expõem exibindo armas. Ele disse que o Exército foi treinado para enfrentar inimigos externos, mas no caso da intervenção não poderá deixar de desarmar os bandidos.

O deputado falou durante quase uma hora, dizendo-se a favor da intervenção, porém preocupado com uma situação em que garotos de calção pelas ruas manuseiam fuzis automáticos. Ele afirma que tais
bandidos são pessoas esquecidas pelo governo na infância. Robert Rios foi aplaudido por colegas que são contrários à intervenção, como o líder do governo, deputado João de Deus, do PT.

Mesmo sendo crítico do governo, o deputado isentou de culpa o atual secretário de Segurança, Fábio Abreu, por entender que o Estado não oferece condições para enfrentar o crime, com a falta de armas, de
viaturas e até de reajuste salarial para os policiais. Em sua visão, Robert Rios disse acreditar que com a intervenção poderá morrer mais gente do que nos 20 anos de regime militar

Apartearam o deputado Robert Rios os seus colegas Dr. Pessoa, João de Deus, Marden Menezes, José Hamilton e Mauro Tapety, todos preocupados com o que poderá acontecer daqui até dezembro. Um dos receios dos deputados piauienses é de que a intervenção possa fazer com que bandidos do Rio de Janeiro migrem para outros estados.

Líder contraditório


Líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (PT-RJ) subiu à tribuna na última terça-feira, com um discurso carregado contra a intervenção na segurança pública do Rio de Janeiro, defendendo que o homem público
precisa de “coragem para falar a verdade”. Ele classificou a medida como uma “farsa por completo” e afirmou que a proposta gestada pelo governo de Michel Temer representa uma “guerra aos pobres”. O site da Veja noticiou que o senador petista pediu intervenção no Rio de Janeiro no governo Lula.

Inspeção nos ônibus

A Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (Strans) notificou os consórcios do transporte público de Teresina que estão utilizando ônibus com problemas de funcionamento. Entre os problemas
identificados estão pára-brisas e janelas quebradas e ainda elevador sem funcionar. As empresas têm um prazo para que tais problemas sejam solucionados. O rigor da fiscalização faz parte das novas regras do sistema de transportes públicos a partir da integração.

O Senado e a intervenção

Uma comissão do Senado acompanhará a intervenção na Segurança do Rio de Janeiro durante todo o ano, e será formada por três senadores titulares e três suplentes. Os membros serão indicados pelos partidos e a designação será definida pelo presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), Os três senadores do Rio — Romário (Podemos), Lindbergh Farias (PT) e Eduardo Lopes (PRB) — terão prioridade. Os outros três serão indicados pelos maiores partidos. Além disso, a Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) aprovou proposta da presidente, senadora Regina Souza (PT-PI), criando uma subcomissão para fiscalizar eventuais violações dos direitos humanos contra a população.

Lula romântico

Palavras do ex-presidente Lula, no lançamento de sua pré-candidatura em Belo Horizonte, Minas Gerais: "prendam minha carne, mas as minhas idéias continuarão soltas. Não vão prender nossos sonhos"; "Não sei o que vai acontecer na Justiça. O que sei é que não respeito essa decisão. Porque do contrário quando minha bisneta crescer ela não vai me respeitar”. Quando ele diz que não respeita a decisão, está
desafiando a Justiça.

Bandidos não mudam rotina

Enquanto se discute a intervenção na segurança do Rio de Janeiro, bandidos continuam atuando despreocupados no Estado do Piauí. Explodiram o cofre e caixas eletrônicos do Bradesco na cidade de Castelo, na madrugada de quinta-feira (22), deixando os moradores aterrorizados. Além das dinamites, eles dispararam vários tiros, mostrando que estavam fortemente armados. O atentado teria sido praticado por oito bandidos, uma força duas vezes superior ao policiamento da cidade. Antes que a polícia possa prender ao menos um integrante do grupo, eles poderão praticar outros atentados.

Secretário censor

O secretário de Justiça do Piauí, Daniel Oliveira, se esqueceu de que serve a um governo petista, pregador da liberdade de expressão, ao ser entrevistado pela TV Rádio Clube, na noite da última quarta-feira (21). Ele se irritou ao ver imagens da situação caótica do presídio de Esperantina, que sofreu rebelião e não teve os reparos prometidos pelo governo. Dando uma de conhecedor das leis às avessas, o secretário disse que os agentes penitenciários, que fizeram a agravação, não poderiam fazê-la e nem a emissora divulgá-la. A emissora, contudo, agiu de boa fé, ao convidar o secretário para se manifestar sobre as imagens do descaso. Poderia ter feito o convite 24 horas depois ou apenas feito a denúncia, sem ouvir o outro lado.

Auditório abandonado

A pianista Carla Ramos está convocando os artistas, produtores culturais e empresas, para juntos revitalizarem o Auditório Herbert Parentes Fortes, abandonado há 30 anos. A pianista quer que o espaço seja usado pela TV Garrincha, que necessita de um auditório para transmitir ao vivo, on line e em cores, programas educativos, culturais e esportivos. Segundo ela, a TV há muito está contribuindo com a arte, cultura e a sociedade em geral. A campanha da pianista foi lançada no facebook.

O humor de cada dia

Alberto Silva estava de aniversário, na Pedra do Sal, quando era governador do Piauí. Nesse dia, chegou um grupo de amigos levando um filhote de jabuti como presente. Encantado com o bichinho, o
governador, contudo, não aceitou o presente, causando uma grande frustração naqueles que esperavam estar agradando ao aniversariante.

Mas o governador explicou o motivo da rejeição, com estas palavras: “se eu aceitar esse bichinho vou me apegar muito com ele, mas ele vai envelhecer e morrer um dia, causando-me uma grande tristeza”. Estudos revelam que um jabuti pode viver até 200 anos.

Dê sua opinião: