Carnaval de apenas dois dias em Teresina

Imagem relacionada 
 Foto: Reprodução  CidadeVerde.com

O carnaval de Teresina está resumido a dois dias, sábado e domingo, com o corso e o desfile de blocos que não atraem grande público. Na
segunda e terça-feira a maioria da população não sai de casa, pois há mais o que ver pela televisão, o carnaval do Rio e São Paulo. Até as
emissoras de rádio, em sua maioria, tocam músicas que nada têm a ver com o carnaval.

O comércio fecha por uma questão de hábito, mas bem que poderia funcionar normalmente. As repartições públicas poderiam funcionar.
Bastava que os governos estadual e municipal acabassem com os feriados. Aqueles que quisessem viajar para o Litoral ou outro ponto
do Estado poderiam retornar no domingo à noite, como fazem fora do carnaval.

A rigor, o carnaval desperdiça dez dias seguidos, começando pela sexta-feira, que já é “enforcada” por grande número de trabalhadores.
Na quinta-feira seguinte ainda tem gente retornando do litoral ou de outros pontos do Estado, aí fica a sexta-feira novamente desperdiçada.
A rigor, tantos dias de ociosidade só podem é trazer prejuízo para o Estado.

Firmino e as escolas de samba

O prefeito Firmino Filho não está gostando nada dessa estória de ser que ele é culpado pela insistência de desfiles de escolas de samba no
carnaval. Ele afirmou que as agremiações carnavalescas não são repartições públicas e o Carnaval é uma festa "que vem de baixo para
cima". Seja de quem for a culpa, o fato é que carnaval sem desfile de escolas de samba não se sustenta. O de Teresina vai ficando mais fraco
a cada ano que passa.

Denúncia do Estadão

“Um conjunto de 18 mil juízes brasileiros, de 81 tribunais federais e estaduais, deixa de pagar cerca de R$ 30 milhões por mês de Imposto de
Renda graças à isenção tributária de benefícios como auxílio-moradia, auxílio-alimentação e auxílio-saúde. Se os chamados penduricalhos
fossem tributados da mesma forma que os salários, cada juiz teria de repassar, em média, 19% a mais para a Receita Federal”.

Dória com Pagodinho.

O prefeito de São Paulo, João Dória, está pagando caro por ter
“forçado” uma foto com o cantor Zeca Pagodinho, ao aparecer no
camarote Bar Brahma, no Sambódromo, na segunda noite de desfiles das
escolas do Grupo Especial.  Extremamente irritado, Zeca gesticulava
com as mãos e fazia sinal de negativo com a cabeça antes da
aproximação de Doria; quando o tucano lhe estendeu a mão, Zeca ficou
com a cabeça baixa; após muita negociação das duas assessorias, Zeca
concordou com a foto, mas com uma condição: queria a presença do
ex-jogador Amaral.

Robert Rios e o PDT

O deputado Robert Rios fez uma revelação no programa Café com
informações, do jornalista Arimateia Azevedo: seu ingresso no PDT foi
uma sugestão do governador Wellington Dias. Ao aceitar a sugestão, o
deputado disse que não voltaria. Justifica-se aí o fato de que  o PDT
se atira nos braços do governo, mas o deputado continua fazendo
oposição.

Piauiense com Barbosa

Pouca gente sabe, mas existe um piauiense por trás das articulações
para que Joaquim Barbosa seja candidato a presidente da República.
Trata-se do advogado Acilino Ribeiro, figura influente no PSB,
atualmente integrando a equipe do governo de Brasília. No tícias
nacionais dão conta de que Acilino teria recusado um convite para
ocupar cargo no governo Temer. A desculpa teria sido seu compromisso
com o governo Rolemberg e os movimentos sociais do Distrito Federal.

Ônibus em falta

Por conta da política de integração, a empresa de ônibus que faz a
linha do conjunto Saci está pouco ligando para a sorte dos
passageiros. No domingo de carnaval, quem precisou de ônibus teve que
esperar a passagem do ônibus do conjunto Santa Fé ou subir a pé para
pegar um ônibus na avenida Henry Wall. Quando forem inauguradas as
estações de passageiros, os ônibus do Saci não rodarão para o centro,
mas apenas levarão os passageiros para o terminal do Parque Piauí.

Platéia de Bolsonaro é criticada

Segundo noticiou o portal brasil247, o teólogo e intelectual Leonardo
Boff teria criticado duramente o público que aplaudiu o pré-candidato
a presidente Jair Bolsonaro, quando ele discursava na semana passada,
prometendo metralhar a Rocinha como solução para acabar a
criminalidade no local. Segundo Leonardo Boff, a reação da platéia de
Bolsonaro mostrou o nível de consciência no mínimo de fascistóide de
nossas elites do atraso. Se Lula tivesse morrido poderia se dizer que
sua alma entrou no teólogo.


O humor de cada dia

Caipira de uma localidade bastante atrasada, no Estado do Maranhão,
ficou impressionado quando viu picolés, pela primeira vez, na cidade
mais próxima. Empolgado, ele comprou duas dúzias e colocou dentro de
seu “malote”. Ao chegar em casa, o caipira fez questão de chamar a
vizinhança para ver a novidade. Mas quando ele abriu o malote quase
caiu de espanto. Vendo a roupa molhada ele lamentou: “ué, os ladrões
roubaram meus picolés e ainda mijaram minha roupa”!!!

Dê sua opinião: