5000onon

A importância do candidato a vice na eleição

Realizadas as convenções partidárias, em que as discussões sobre indicações de vices ganharam destaque na mídia, já pode o eleitor fazer seu juízo de valor. Decidir por um nome que ainda não tem seu
companheiro de chapa definido não é interessante para quem vota. Resta saber se entre tantas escolhas para vice algumas podem prejudicar o cabeça da chapa.

Os nomes mais conhecidos na política para vice - presidente são a senadora Kátia Abreu, na chapa de Ciro Gomes, a senadora Ana Amélia, na chapa de Alkminn, Haddad na chapa de Lula e Germano Rigotto na chapa de Henrique Meireles. O candidato Jair Bolsonaro foi o único a escolher um militar, no caso o General Hamilton Mourão.

Para governador do Piauí as chapas trazem nomes desconhecidos par vice, em sua maioria. A rigor, apenas o governador Wellington Dias tem uma política de carreira como vice, no caso a senadora Regina Souza. O deputado Luciano Nunes escolheu a delegada Cassandra Moraes, mas quem é conhecido mesmo é o pai dela, o prefeito de Parnaíba, o Mão Santa.

No caso do governador Wellington Dias, um nome desconhecido para vice não influiria negativamente em nada, pois o conhecido mesmo é ele. O mesmo aconteceria com o ex-presidente Lula, em face de sua longa carreira política. Diante da descrença do eleitorado na classe política, não se pode dizer que um nome não identificado com essa carreira pode prejudicar o cabeça de chapa. Ao contrário, pode até
beneficiar.

Garoto ferido a facão

Quantas pessoas com distúrbio mental existem vagando pelas ruas, na capital e no interior do Estado? Não conheço estatística nenhuma a respeito do assunto. Abordo essa questão devido a um fato triste
noticiado pelo portalaz, a tentativa de assassinato de um garoto de 12 anos , por um portador de distúrbio mental em Buriti dos Lopes, no norte do Estado. A notícia diz que o assassino costumava andar armado.
Ele atacou o garoto com golpes de facão. Ao confessar o crime, disse que o garoto entrou em sua plantação, para roubar.

A Globo e o Lula


Publicou Sebastião Leal Junuir, no facebook: “Quando Lula era Presidente, a Globo fez uma campanha muito forte contra seu Governo...Segundo ouvi de um petista importante ligado ao Presidente, esse Petista , estava no Gabinete com Lula quando ele dizia para um Ministro importante, que suspendesse por seis meses qualquer patrocínio ou publicidade na Globo... Nesta época a emissora passava por uma crise financeira com muitas dívidas no País a fora... A Globo não aguentou e pediu arrego ... conseguiu dinheiro do BNDES e voltou a faturar no Governo e apoiar o PT”.

A solidão de Temer


Publicou Flávio Nogueira, no facebook: “Poucos tomaram conhecimento que o presidente Temer esteve em Parnaíba  na última sexta-feira (3). O espectro de Presidente  desceu no Aeroporto João Silva Filho,
solitário e distante. O chefe festivo e festejado pós golpe não existe mais. É a caricatura de um chefe de governo. Nem os que ajudaram a tomar de assalto o governo, estavam por lá. A melancolia de um
presidente moribundo, antipático e rejeitado pelo povo pode impregnar candidatos que precisam de vigor para as eleições que já começaram. Esses 5 meses que faltam para o término de seu “mandato” serão longos e tediosos, não somente pela sensação da “solidão de poder”, mas a do tormento de alguém que chefia um governo macabro”.

Luciano e Luciane


O PSTU homologou seus candidatos que irão concorrer nas eleições de 2018. O evento, realizado no plenarinho da Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi), contou com a presença da candidata homologada ao
governo do Estado, Luciane Santos, e de Gervásio Santos, que disputará uma vaga no Senado, entre outros candidatos. Luciane tem o prenome quase igual ao do candidato do PSDB (Luciano). Em entrevista ao portal 180garaus, Luciane disse que o partido lutará pelos direitos dos trabalhadores do estado, pelos quase 200 mil que estão desempregados, e lamentou ainda a violência crescente no Piauí, referindo-se
sobretudo aos casos de feminicídio.

Estupidez

As críticas ao candidato Jair Bolsonaro, por ter escolhido um General do Exército para vice são incoerentes e partem, em grande parte, daqueles que aplaudem a candidatura de Lula, mesmo ele estando preso.
Se o general aceita ser candidato é porque concorda com as regras do processo. Cabe ao eleitor elegê-lo ou derrotá-lo. A legislação em vigor não exclui os militares da disputa. Os comentários jocosos na
internet não passam de estupidez ou discriminação.

O jumento e os prefeitos

Notícia publicada no portal 180graus deixa ampla margem para que prefeitos do Piauí sejam comparados com jumento. Diz o primeiro parágrafo da matéria: “O mesmo instituto que premiou um jumento, como
mostrou a reportagem do Fantástico deste domingo (05/08), também premiou diversos prefeitos piauienses. Entre os premiados, o Professor Ribinha (PT), de Campo Maior; Padre Walmir (PT), de Picos; Rubens
Vieira, de Cocal; e ainda Ricardo Sales, de Murici dos Portelas”. O instituto está na obrigação de justificar a premiação aos prefeitos, já que no caso do jumento o que se sabe é que ele tem muito mais
utilidade.

Oposição indiferente

A oposição na Assembleia não deu bolas para o fato de maior repercussão na mídia e nas redes sociais, a operação Topique, que efetuou várias prisões de pessoas acusadas de envolvimento em
superfaturamento de contratos de transporte escolar na Educação. Na primeira sessão desta semana o assunto passou “batido”. Curiosamente, não havia repórteres para “forçar” declarações. O líder do governo, deputado Francisco Limma, foi poupado de seu velho jargão, de que a oposição torce pelo “quanto pior melhor”.

O humor de cada dia


Sinobelino Passos de Carvalho era um médico de Teresina, famoso pela precisão de seus diagnósticos, numa época (década de 1950) em que não havia praticamente equipamentos. Seu defeito era beber com frequência. Um dia ele recebe em seu consultório um senhor do interior e, em vez de pegar no pulso do paciente, pegou no dele próprio. E sai o resultado: "você não tem nada. Está bêbado. Vá pra casa".

Dê sua opinião: